Entrevista com Michelle Meleck – Programa Caminhos de Sucesso – 1 de Fevereiro

Momento beleza, momento energia no programa Caminhos de Sucesso do dia 1 de Fevereiro.

Um mês dedicado às mulheres que fazem sucesso, que são empreendedoras e que tem muita visão de negócio.

Michelle Meleck Fundadora da Live Estética

Michelle Meleck Fundadora da Live Estética

E para abrir a série convidamos Michelle Meleck, profissional na área de comunicação formada em Relações Públicas e que no ano de 2000 descobriu-se uma apaixonada pelo mundo da Beleza e Estética. Fascinada com as coisas que descobriu viu que era possível fazer muita coisa para elevar a autoestima das pessoas. Por isso, desenvolveu um planejamento estratégico trazendo novas tecnologias em prol da beleza, saúde e estética para a extinta Clínica Vanity.

A sua história de vida e empreendedorismo é emocionante e cheia de realizações. Convido vocês a conhecerem um resumo desta entrevista, que também poderá ser vista em vídeo seguindo o link  http://mais.uol.com.br/view/14273587

Blog do Purcino:               Quem é Michelle Meleck?

Michelle:                              Eu diria que eu sou uma faz tudo hoje em dia. Além da minha paixão pela minha clínica Live Estética eu ainda sou mãe, tomo conta da casa, pesquiso novidades no mercado internacional e no mercado nacional sobre beleza e estética para trazer aos meus clientes e parceiros e, além disso, diariamente eu passo dicas aos nossos internautas sobre qualidade de vida, dietas, sucos e muitos outros temas relacionados aos cuidados com o corpo e a beleza.

Blog do Purcino:               Essa paixão sua começou com a Clínica Vanity? A clínica era sua ou você foi contratada para profissionalizar a clínica?

Planejamento e Desenvolvimento

Planejamento e Desenvolvimento

Michelle:                              Em 1998 eu fui convidada pelos dois investidores proprietários da clinica para auxilia-los no planejamento e posicionamento da empresa no mercado. Eu também não era da área, mas sempre me interessei pelo tema e durantes minhas viagens internacionais via as novidades e pensava… “Isso não tem no Brasil, que bom seria levar e mostrar ao público o que melhor existe na área” –  Trazer essas técnicas para o Brasil sempre foi o meu desejo, pois São Paulo, cidade onde moro, tem potencial para um negócio nesse segmento de mercado.

NR:                                        O bom de São Paulo é isso. Temos que ter a percepção de encontrar um bom negócio e a capacidade e ousadia de investir capital e tempo neste negócio. Sem esquecer o planejamento.

Blog do Purcino:               Durante esse período aconteceu um fato interessante que foi o de ter sido a clinica Vanity a responsável por retirar uma tatuagem da Kelly Key, e isso alavancou bem o negócio. Isso é a união da oferta do negócio com a oportunidade do mercado.

Michelle:                              Sim, nossa clínica era a única que tinha uma máquina a lazer para esse tipo de intervenção. Esse lazer fazia depilação, tratamento para rejuvenescimento e também removia tatuagens. Na época a Kelly tinha se separado do cantor Latino e precisa retirar uma foto dele que ela havia tatuado. O empresário dela ficou sabendo da clínica e nos procurou. Foi uma época em que ela estava no auge. Havia acabado de fazer um ensaio para a Playboy, sua música era um sucesso nas rádios e televisão.

No dia da consulta percebemos um tumulto na rua, o CET fechando cruzamentos, vários carros de imprensa escrita, falada e televisa na porta da clínica. Todos dando destaque à ela e à clinica também.

A partir daí eu comecei a ser procurada para dar entrevistas, depoimentos, dica em programas, até ter participação fixa em um programa.

O importante é levar em conta que a 13 anos atrás quando eu comecei a estética era muito restrita, tanto na questão de variedades de tecnologia e cosméticos quanto ao público, pois é muito caro. Tudo era importante, tanto os equipamentos como os medicamentos.

Nestes últimos anos o Brasil teve um crescimento muito grande, industrias locais começaram a investir em pesquisas na área e a desenvolver os equipamentos nacionalmente barateando muito os investimentos neste segmento.

Com os programas de TV passamos a ser procurados por clientes do Brasil inteiro.

Michelle, destaque na Revista Forbes, Edição número 3

Michelle, destaque na Revista Forbes, Edição número 3

Blog do Purcino:               Com todo esse trabalho de sucesso, de iniciativa e por ter saído na frente, você foi destaque no premio de Mulheres Mais Influentes do Brasil, na 3ª. Edição da Revista Forbes. Conte-nos essa passagem.

Michelle:                              A revista fez uma reportagem sobre empreendedorismo. O tema era relatar ao público como eu havia conseguido esse destaque para a empresa em tão pouco tempo.

Isso porque já naquela época tínhamos um Day Hospital com um mini centro cirúrgico para pequenos procedimentos.  Essa parceria com o Dr. Marcelo Forlan nos permitiu realizar trabalhos estéticos rápidos, seguros e com excelentes resultados. A Forbes soube disso e me procurou para contar essa história e mostrar a efetividade do que fazíamos na clínica.

Blog do Purcino:               Vamos focar agora a Live Estética. Quando você projetou e qual é o foco dela?

Michelle:                              De 2007 a 2009 eu fiquei fazendo consultorias para clínicas. Os empreendedores começaram a ver esse mercado como um grande negócio para investimentos e me procuravam para dar orientações a respeito.

Montei o escritório para consultoria dirigida às clinicas de estética, ao qual dei o nome de Estética Avançada. Na época inclusive o meu slogan era: Chegou a hora da sua clínica entrar em forma. – Eu comecei a prestar essa assessoria mas ai aconteceu um fato interessante. Meus clientes antigos ligavam para mim pedindo orientações e indicações de onde ir para continuarem seus tratamentos estéticos. Eu indicava uma, duas, três clinicas, mas não era a mesma coisa.

NR:                                        Aí começam os problemas de indicar o serviço de fulano, ciclano, mas geralmente o resultado não é o mesmo esperado quando o tratamento era feito por você ou com sua supervisão técnica. Nesse momento a gente toma a decisão de fazer a gente mesmo o que está indicando para os outros fazerem.

Michelle:                              Isso realmente aconteceu. No final de 2009 eu estava fazendo uma consultoria para uma clínica no norte fluminense em Campos dos Goitacazes.

Live Estética

Live Estética

 

O cliente ouvia as ligações e me ouvia dando as indicações. Ele nesse momento comentou que eu deveria abrir a minha própria clínica. Foi daí que surgiu a Live Estética.

Decidi então criar um conceito. A Live Estética é uma clínica com uma estrutura bem enxuta o que faz com que os preços sejam bem acessíveis. Estamos em um prédio comercial com toda segurança e facilidades de estacionamento possível.

Isso também garante a privacidade e a possibilidade de relaxamento necessário para esse tipo de tratamento.

 

Blog do Purcino:               E como é a frequência masculina na clínica? Você ainda percebe o preconceito com o cuidado estético por parte dos homens?

Michelle:                              Lá no inicio do meu trabalho os homens ligavam pedindo informações sobre os nossos serviços e falavam baixo pelo telefone. Incrível!!!

Pediam um horário de baixo movimento na clínica e também serem atendidos em um local mais reservado. Tinham receio de serem reconhecidos.

NR:                                        Quando eu vivi no exterior, em países como Alemanha, Malásia, Austrália, eu convivi muito com esse tipo de tratamento. Aprendi nesses países a importância do cuidado com a pele, com o corpo e com o nosso stress. Fiz tratamentos desde esfoliação de pele até a limpeza facial. Só não fiz a depilação da barba pois uso barba. (risos)

Michelle:                              Hoje usamos um termo denominado Tecnologia Cosmética. Para esse tratamento facial que mostramos no vídeo usamos proteínas que vem do bicho da seda e que funciona, entre todas as suas funções, como um antioxidante também.

O pó é preparado na hora, na dose certa e necessária para cada cliente. As plaquinhas que colocamos sobre a pele são placas de papel de seda.

Esse tratamento é muito necessário pois a pele do rosto fica 365 dias do ano exposta ao Sol. Logo, os poros do rosto acabam virando depósito de lixo.

J. Purcino e Michelle Mekeck - Programa Caminhos de Sucesso (1/2/2013)

J. Purcino e Michelle Mekeck – Programa Caminhos de Sucesso (1/2/2013)

Blog do Purcino:               Fala sobre a relação dos tratamentos da sua clínica vs o stress dos executivos (e executivas) no trabalho?

Michelle:                              Nós atendemos várias empresas com nossos planos corporativos. Tem homens que vão à clínica uma vez por semana.

Quando você se olha no espelho e nota que seu rosto, sua aparência, sua energia está aflorando, isso dá mais condições de você realizar o seu trabalho de forma mais tranquila, mais alegre. Dá capacidade e poder de realização a você.

Blog do Purcino:               Quais são os tratamentos mais procurados pelos homens?

Michelle:                              O primeiro é a depilação a lazer de barba na parte de baixo, no pescoço. No ato de fazer a barba todos os dias tem homens que possuem a pele muito sensível, problemas de pelo encravado, entre outros. A depilação ajuda a eliminar esses problemas. Outros buscam a depilação completa da barba.

O segundo serviço mais procurado são as massagens. é o Cellutec. Um equipamento que relaxa, trabalha toda a musculatura, ajuda na circulação do sangue e também promove uma drenagem linfática.

Blog do Purcino:               Quais são os seus planos para a Live Estética? Vai partir para a abertura de filiais ou franquias?

Michelle:                              Eu tenho participado de reuniões no SEBRAE. Estou analisando essas possibilidades porque a procura é muito grande. Existe sim a possibilidade. Estamos em fase de estudos de viabilidade.

O meu limite já ultrapassou o limite do Céu.

O meu limite já ultrapassou o limite do Céu.

 

Muita gente diz:  “O céu é o meu limite” – eu digo que “.. o Céu não é o meu limite já faz muito tempo.” Eu quero ir além.

E com essa frase de otimismo e visão de negócio a Michelle finalizou a nossa entrevista. Um recado direto a todos que tem seu sonho e já implantaram o seu negócio. O limite só existe na cabeça de cada um.

 

 

Essa é uma transcrição interpretativa da entrevista de Michelle Meleck para J.Purcino no programa Caminhos de Sucesso, realizada no dia 1 de Fevereiro de 2013.

Copyrights Nacar Comunicação, Treinamento e Sistemas de Performance.

Todos os direitos reservados.

 

Anúncios

Direção Executiva Bilíngue – Entrevista com Gisele Klouczek

Dia 25 de Janeiro de 2013. Dia de comemorar São Paulo. Muitos contam suas histórias, contam suas lutas, suas vitórias. Eu não poderia deixar de contar a história de uma executiva que foi à luta, depois de trabalhar por anos em multinacionais.

Hoje, ela vê sua ideia dando certo. Hoje, ela continua lutando pela consolidação de seu empreendimento com a certeza de que escolheu o caminho certo.

Proprietária da GPS Direção Bilíngue

Proprietária da GPS Direção Bilíngue

Eu estou falando da Gisele Klouczek, uma mulher organizada, decidida, que não desiste facilmente das coisas. Tem um bom humor que a gente nota durante o primeiro contato, um astral ótimo, o que traz à tona toda a energia que ela tem para realizar o seu trabalho, que realmente não é fácil não.

Mas trabalho fácil, coisas fáceis, não são os desafios de verdade. O desafio maior é vencer a cada dia que passa as dificuldades de realizar o trabalho que é dominado pelos homens. Vamos conhecer um pouco da Gisele nesta entrevista realizada durante o programa Caminhos de Sucesso do dia do aniversário de São Paulo.

Blog do Purcino:       Gisele,  o que você estudou. Conte-nos um pouco de sua vida acadêmica.

Gisele:                              Sou formada em Letras com habilitação como  Tradutora – Intérprete em Inglês e Português pela Faculdade Ibero- Americana e também fiz o meu MBA em Gestão Empresarial na FGV.  (Fundação Getúlio Vargas).

Apesar desta formação, sempre trabalhei na área financeira de grandes multinacionais, tais como Alpargatas Santista Têxtil, ABB Ltda e Swiss Re., tendo trabalhado na penúltima empresa por 13 anos.

Blog do Purcino:         Qual era, naquela época, o seu passatempo predileto?

Gisele:                                 Há 9 anos atrás comprei um jipe Ford Willys ano 73 vermelho e comecei a fazer trilhas com um clube chamado Anonimatos aos finais de semana.

Gisele e seu Jeep vermelhoEra uma sensação de liberdade, aventura e eu conseguia com isso eliminar todo o stress da semana. Um dia, trabalhando em um projeto na empresa pensei:  – “Por que não trazer a experiência das trilhas para dentro da empresa?” –

 Fiz isso e percebi que tudo o que aprendia nos finais de semana fazendo as trilhas eu conseguia mostrar e usar como exemplo de atitude e ações com meus colegas de equipe. Consegui melhorar o espírito de companheirismo e trabalho de equipe além de melhorar o nível de amizade entre todos.

Infelizmente não tenho mais o jipe, mas levo comigo para sempre todo aprendizado e experiência de vida e de direção também!

Blog do Purcino:           Gisele, quando e por que você decidiu dedicar-se a essa nova carreira?

Gisele:                                  Com a crise econômica em 2009, durante uma reestruturação da empresa, eu fiquei fora do mercado durante dois anos.  Neste período eu participei de processos seletivos, mas nada que me ofereciam era realmente o que eu buscava para mim.

Eu pensava todos os dias em como eu poderia mudar isso e fazer outro tipo de coisa que me trouxesse prazer em realizar meu trabalho. Foi aí que uma noite, jantando, eu parei e tive a ideia, louca eu sei, mas que tinha sua lógica:  – “ eu tenho um carro executivo, falo inglês, gosto de pessoas e gosto de dirigir”.  – “Por que não?”  E a ideia ficou martelando em minha cabeça, até que comecei a comunicar meus amigos e amigas empresários sobre essa minha nova atividade.

Entrevista no Programa Caminhos de Sucesso em 25/1/2013

Entrevista no Programa Caminhos de Sucesso em 25/1/2013

Blog do Purcino:           Como foi colocar essa ideia em prática?

Gisele:                                  Eu já estava trabalhando como motorista executiva quando uma amiga pediu uma ajuda que não tinha nada a ver com o meu trabalho. E é ai onde moram as coincidências que nos levam de uma vez à nossa realização profissional.

Essa minha amiga morava sozinha e precisava ir a um casamento. Ela fez orçamento com um motorista e o valor era muito alto, mas esqueceu-se de que eu trabalhava com esse tipo de transporte executivo.

Ela tinha outra necessidade. Precisava de ajuda para vestir-se e, como somos muito amigas (até hoje), ela me ligou pedindo “socorro” .  Ela precisava de alguém que fechasse o vestido dela e que a levasse para a igreja! Foi aí que meu espírito vendedor comentou: – “Vamos fazer o seguinte? Eu te faço um valor menor, vou até sua casa, ajudo a fechar o vestido e te levo para o casamento?” – Ela topou, deu tudo certo, começou a propaganda boca-a-boca e foi aí que nasceu a GPS, que naquela época significava  Gisele Pronta para Socorrer! .

Os chamados começaram a pipocar de todos os lados, eram para buscar estrangeiros no aeroporto, levar e buscar em shows, teatros, etc.

Blog do Purcino:           Por que o nome GPS Direção Bilingue? Como você chegou nesse nome?

GPS Direção BilíngueGisele:                                  O significado real de GPS é: Global Position System e quis adaptá-lo para a minha realidade que era Gisele Pronta para Socorrer” .  Quando vi que a demanda começou a crescer, decidi abrir a empresa, mas não poderia manter o mesmo nome como razão social.  No começo pensei em manter a GPS e acrescentar Direção Feminina só que isso iria restringir muito meu trabalho ao mundo feminino. Foi então que eu lancei um concurso no Facebook pedindo sugestões de um novo nome para a GPS e dentre algumas ideias uma amiga recomendou o nome GPS Direção Bilíngüe!

Blog do Purcino             Qual é o perfil da sua empresa?

Gisele:                                  O perfil da empresa é prestar serviço de transporte executivo sob reserva (principalmente com indicações), cujo diferencial é ser conduzido por motorista feminina, atenciosa e que fala dois idiomas e tem um amplo conhecimento do mundo executivo e das necessidades de seus diretores e executivos. A empresa atende não só o executivo ou a executiva em suas necessidades profissionais como também em suas necessidades pessoais, como atender a esposa, os filhos, os parentes, levando-os a escola, teatros, supermercados, etc.

Blog do Purcino             Fale um pouco mais do tipo de trabalho que você realiza.

Gisele:                                  Eu faço o trabalho receptivo de executivos em aeroportos, portos, reuniões, faço o transfer dos executivos para reuniões, almoços, jantares, além de leva-los para suas consultas médicas, seus familiares para escolas, shows, teatros, casamentos além de atendimento especializado para pessoas da terceira idade

Blog do Purcino:            Qual é o perfil do seu cliente?

Gisele:                                  Atualmente trabalho muito com empresas indicadas por executivos que me conhece ou que já utilizou o serviço e gostou do resultado. Isso facilita muito em saber quem levarei e para o cliente também é importante saber quem o levará com responsabilidade e confiança.

Blog do Purcino:           Você fala quantos idiomas e o que isso tem ajudado você no desempenho de seu trabalho?

Gisele:                                  Falo inglês fluentemente. O espanhol é intermediário. E esses dois idiomas tem sido um diferencial nas indicações. Eu além de servir como motorista dos executivos e de seus familiares, também auxilio em compras de supermercados, shopping centers, lojas especializadas e até, em alguns casos, quando o cliente não fala nada de português e nem seu interlocutor, faço o meu trabalho de interprete.

Blog do Purcino:                Você atende empresas, particulares, expatriados, visitantes de negócios, turismo de lazer, gente que está mudando para o Brasil?

Gisele:                                  Sim, atendo empresas, particulares, visitantes de negócios, recepcionando-os no aeroporto ou porto de chegada, levando-os para o hotel ou diretamente para as reuniões.

Atendo também aos executivos que vem para turismo de lazer, fazendo um trabalho de concierge executivo ou até corporativo, se for o caso.

Estou estudando e preparando-me para atender aos expatriados e novos moradores no Brasil. Sempre quando tenho algum cliente novo busco orientações sobre seu país de origem, sua cultura, o que gostam, para estar apta a atendê-los com profissionalismo.

Blog do Purcino:          Quais são suas perspectivas para estes próximos anos com tantos eventos internacionais em São Paulo?

Gisele:                                 Ser cada vez mais conhecida e reconhecida pelo trabalho que a GPS Direção Bilíngue realiza. Atender a demanda de clientes que se identificam com o nosso trabalho e que se tornem clientes referenciais e preferenciais!

Com a proximidade de tantos eventos esportivos e de negócios, quem sabe expandir a empresa e no futuro pensar em abrir uma franquia de meu negócio.

Gisele Klouczek

Blog do Purcino:            Gisele, quais são seus contatos:

Gisele:                                   Quem quiser conhecer um pouco mais de meus serviços pode enviar e-mail para contato@gpsdirecaobilingue.com.br  ou acessar o link da empresa www.gpsdirecaobilingue.com.br

O telefone de contato é o 55- 11- 99952-2372

Esta é uma versão escrita e resumida da entrevista realizada em 25 de Janeiro no Programa Caminhos de Sucesso, veiculado pela TV Geração Z. Todos os direitos reservados para TSP2 Comunicação e Treinamento.

Editado e publicado por J.A. Purcino

Fotos de José Antonio Purcino

Reino Unido quer indústrias no Brasil

A reportagem no caderno de Economia do jornal O Estado de São Paulo, do dia 8 de Maio, redigida pela repórter Cleide Silva, comenta que o Reino Unido quer recuperar o poder da indústria local, hoje focada na alta tecnologia. Voltar às raízes é necessária devido a crise internacional que levou vários países a repensarem sua estratégia financeira.

De forma inteligente, o governo local irá aproveitar os Jogos Olímpicos para reunir 200 executivos e ministros da área econômica de todos os continentes para o maior fórum empresarial já realizado no país. Do Brasil foram convidados, entre outros, os ministros Fernando Pimentel e Guido Mantega, além dos empresários Eike Batista, Graça Foster, Murilo Ferreira e Luis Carlos Trabuco.

Fábricas como a Land Rover, hoje administrada pela Tata Motors da Índia, estão planejando a sua volta ao Brasil, depois de ter fechado a sua fábrica de São Bernardo do Campo, onde fabricava o Jeep Defender.

O governo quer também fazer parceria na Copa do Mundo de 2014 e nas Olimpíadas de 2016.

O interesse dos britânicos pelo Brasil nesta área vai desde o aluguel de boa parte das estruturas que foram construídas para os Jogos Olímpicos que serão realizados de 27 de Julho a 12 de Agosto. A ideia é o reaproveitamento destes materiais, abatendo os custos de produção. A demanda existe, pois muitos brasileiros estão preocupados sim com o andar moroso das obras que estão sendo realizadas em nosso país.

Existe também o interesse em venda ou exportação de tecnologia de ponta, como diz George Tomka, representante da UK Trade & Investments, agência de promoção de comércio e investimentos do Reino Unido.

O Brasil deveria pensar como Londres, não cometendo os mesmos erros de outras sedes da Olimpíada, que fizeram investimentos pesados na estrutura para eventos e hoje tem dificuldade para administra-los e reduzir seus custos de manutenção.

Leiam mais detalhes desta interessante reportagem na edição de 8 de Maio do Jornal O Estado de São Paulo.

Purcino