Avião do Corinthians bate no muro do aeroporto de Quito! – 1996

Curiosamente o Lance publicou este momento por que passaram delegação e torcedores do Corinthians durante a tentativa de decolagem no aeroporto de Quito.

Eu estive no jogo com minha família. O Corinthians ganhou o jogo, e nós (jogadores e torcida) ganhamos uma saraivada de laranjas, bananas, pedras, até caixa de frutas (papelão) na cabeça. Precisamos nos esconder no vestiário do Corinthians. Valeu a pena, pois meu filho, corinthiano, e minha filha (na época corinthiana por um dia) conseguiram tirar fotos com Zé Elias, Marcelinho Carioca, Edmundo, entre outros.

Ao chegar em casa, que ficava a poucos minutos do aeroporto, ouvimos um grande estrondo e logo depois a noticia de que o avião do Corinthians havia batido no muro e não tinha conseguido decolar. Susto enorme. Fomos socorrer o pessoal. Muitos no hospital para exames somente. Mas tudo correu bem e houve somente pessoas com ferimentos leves, como relatou na época o repórter da Radio Bandeirantes, Ricardo Capriotti:

“Houve uma neurose generalizada”, atestou o médico do Corinthians, Paulo Farias. “Todos queriam sair do avião ao mesmo tempo.” O jogador Tupãzinho foi quem mais se machucou. Com o corpo tomado pelo querosene, ele não esperou que os tobogãs de emergência inflassem e saltou do avião. Torceu o tornozelo e teve algumas queimaduras. Outros cinco passageiros sofreram escoriações leves e o piloto, comandante Cledir Joaquim da Silva, cortou o rosto. Um saldo positivo. Se o avião tivesse saído do chão, poderia ter batido de frente em uma das montanhas que compõem a Cordilheira dos Andes e cercam o aeroporto Mariscal Sucre, no centro de Quito. A direção do Aeroporto informou que houve apenas feridos leves

O avião passou o muro e parou a poucos metros da pista da Avenida, o que evitou um acidente de maiores proporções.

O jogo de hoje é contra o EMELEC, time tradicional do Equador, fundado na cidade de Guayaquil, que fica ao nível do mar, um time de ponta cujo principal concorrente na cidade (e no país) é a equipe do Barcelona. Hoje, o Emelec é a terceira ou quarta força do futebol equatoriano, ficando atras também da LDU (de Quito), curiosamente, antes fraca equipe, e hoje a primeira colocada no ranking da Comebol.

A vida lá no estádio dos elétricos não será fácil não. Portanto, sorte Corinthians.

Assim foi a história, vejam abaixo como conta o Lancenet.

1/5/96 – Na volta a São Paulo, o avião da delegação corintiana derrapou na pista e só não foi parar nas ruas da capital Quito porque parou no muro. O desespero de atletas, membros da comissão técnica, diretores, torcida e jornalistas foi geral. Chovia forte no momento da tentativa de decolagem efetuada pelo comandante Cledir da Silva, no controle do Boeing 727-2B6.

Leia mais no LANCENET! http://www.lancenet.com.br/corinthians/Corinthians-Emelec-Libertadores_2012_0_692330764.html#ixzz1ti7OB1Ex
© 1997-2012 Todos os direitos reservados a Areté Editorial S.A Diário LANCE

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: