Alexandre de Mattos e o marketing digital.

A mídia social tem tido muita importância na vida das pessoas. Muitos, milhares, milhões, fazem uso do Facebook, do Orkut, do Twitter, do MSN, entre outros mais conhecidos. Usam para conversar com seus amigos, para dizer bom dia simplesmente, ou até para cutucar quem faz tempo que não dá sinal de vida. 

A multiplicação das ideias, das mensagens, dos pensamentos e dicas é incrível. Dez pessoas que façam um compartilhamento de uma mensagem, e que tenham em sua rede 500 amigos, em menos de 10 minutos sua mensagem já está disponível para leitura no mínimo para mais de 5.000 pessoas. E você só conhece 10 dessas 5.000. 

Hoje existem empresas e profissionais que só se preocupam com a boa utilização dessas redes, com o marketing pessoal de quem as utiliza para divulgar ou divulgar-se. As empresas descobriram faz tempo esse meio de comunicação de massa e investem cada dia mais na divulgação de suas páginas.

Um desses profissionais é o Alexandre de Mattos, que como todo mundo, tem sua história de vida, seus desafios que foram vencidos, e suas mensagens para contar aos nossos leitores.

Procuramos o Alexandre que nos atendeu prontamente e o resultado deste nosso bate-papo (um resumo, pois apesar de jovem, tem muito que contar), você vai ler aqui, no nosso blog, a partir de agora.

Blog do Purcino:    Alexandre, fale sobre você, conte um pouco sobre a sua história pessoal e profissional.  

Alexandre:     Posso dizer que iniciei cedo no mundo corporativo, com 15 anos eu já estudava e trabalhava e desde aquela época eu nunca mais parei com esta combinação. Todos os trabalhos que desempenhei estavam relacionados com o contato com pessoas. Algo que adoro é poder trabalhar com pessoas!  

Aos 21 anos passei em uma disputada seleção para ser Trainee  do Grupo RBS o Rio Grande do Sul. A RBS é um dos maiores grupos de comunicação do Brasil.

Eram milhares de candidatos para apenas 25 vagas na RBS-TV (Afiliada da Rede Globo). O bacana desta história é que entre os pré-requisitos da seleção estavam a necessidade do candidato ter carro próprio e estar cursando os últimos dois semestres de ensino superior. Eu estava no primeiro semestre de Administração e não tinha carro !!  

Na verdade, fui andando 5KM até o local da seleção, pois na época meu salário só era suficiente para pagar a faculdade (rs )  Quando me perguntaram como eu pretendia superar meus concorrentes na seleção sem ao menos ter um carro para fazer o importante trabalho que era de visitar os clientes , eu respondi : ” Me dê a oportunidade que em apenas três meses eu consigo, com os resultados das minhas vendas,  comprar um carro;  e até lá eu irei me sacrificar, acordando mais cedo e andando muito mais do que os meus colegas”   E  não é que  a empresa resolveu me contratar?! A verdade é que em três meses eu cumpri com minha promessa e comprei meu carro.  

Esta experiência tem sido a minha referência a partir de então, pois aprendi que quando você quer algo nada pode te impedir de conseguir. Superar as barreiras que possivelmente tenhamos só depende de nós. Eu decidi focar minha carreira nas áreas de publicidade e marketing. Nestes 17 anos tive a satisfação de gerenciar e ser gerenciado por muitos e excelentes profissionais desta área, aprendendo um pouco com cada um deles.

Passei da TV para a Rádio, abri duas Agências de Propaganda, trabalhei com Jornal, Mídia Impressa, Marketing Direto e depois migrei minha experiência  e conhecimento para a internet, para o novo mundo digital , onde estou tendo a satisfação de acompanhar o crescimento surpreendente das novas formas de mídias !   

Blog do Purcino:      Você disse que iniciou na TV como executivo. Por que decidiu pela carreira solo? Como foi isso? 

Alexandre:     Naquela época, para nos situar melhor, é importante ressaltar que não existia a internet como conhecemos hoje, pois a grande força de mídia era a televisão, mais precisamente a Globo e ainda havia poucos cursos de Publicidade. Ou seja, havia um produto assertivo em resultados e uma grande base de clientes sem assistência na parte da produção de materiais. Os veículos não se propõem a produzir materiais e sim a veicular o produzido e faltavam profissionais para isso.  Então eu enxerguei uma grande oportunidade comercial neste Gap entre a saída do material da empresa até  a  exibição na emissora de televisão. Resolvi aproveitar e fundei a Agência de Propaganda Quallitá, que após um período de testes no mercado e alguns ajustes, decolou e se transformou em uma das maiores agências do Rio Grande do Sul. Vendi minha participação acionária na agência, mas ela continua em funcionamento, firme e bem sucedida até hoje. 

Blog do Purcino:      Como foi fazer esta transição, de Executivo, para Empreendedor?  

Alexandre:     Um desafio. Deixar uma estrutura de quase 5 mil colaboradores, este era o número de colaboradores do Grupo  RBS na época, com sistemas organizacionais de ponta e com um suporte fantástico para o trabalho do dia-a-dia e “perder” o “escudo” da marca não era simples. Deixei de ser a “RBS”, uma marca influente e poderosa ( para ilustrar somente eu atendia pessoalmente a carteira de investimentos de mais de 84 Prefeituras Gaúchas) e   passei a ser o “Alexandre”. 

Tudo mudou, a recepção dos clientes mudou, o atendimento mudou, as barreiras surgiram. Mas depois do susto, você começa a desenvolver a sua personalidade, ocupar o seu próprio espaço. Posso dizer que não tem nada mais gratificante do que você descobrir que pode trabalhar e crescer sem precisar da proteção de uma grande marca. Foi libertador. Foi uma experiência fantástica também no desenvolvimento de habilidades publicitárias, pois como a empresa era pequena, sobrava de tudo para fazer: eu fazia textos, fotograva, editava comerciais, escolhia fornecedores, contratava modelos, fazia arte gráfica, fazia release, dirigia comercial para tv, encaixava planilha de veiculação, negociava espaço com os veículos, fazia pesquisas nos clientes, viajava com os clientes, entre outras ações pertinentes a uma agência. 

E como não se tinha muito recursos para aprendizado disponíveis no mercado eu ainda tinha que dedicar muitas horas para ler e estudar a pouca bibliografia publicitária que existia. Tudo isso ajudou a ter a uma visão sistêmica dos fatos e, principalmente, a ser um “criador” publicitário.  Os resultados vieram, a agência cresceu  e eu senti que aquela etapa estava superada. 

Blog do Purcino:    Conte sobre sua experiência na Rádio Pop Rock? 

Alexandre:     Eu sempre gostei de desafios, mas também sempre tive bem claro na minha mente que iria ousar até uma determinada idade, arriscar sem perder o foco, aprender muito, viver experiências diferentes, enriquecer minha carreira de forma tal que eu pudesse no futuro, me adaptar a situações que não estivessem previstas no cronograma da vida. 

Sendo assim , quando a agência estava posicionada no mercado e com o futuro garantido, passei a observar novos horizontes. E foi neste espírito que recebi o convite da Universidade Luterana do Brasil para assumir uma função como Executivo da Rádio Pop Rock (emissora da instituição, que a partir de uma ideia acadêmica, cresceu e passou a concorrer com gigantes na região).

O projeto era novo, tinha desafios e excelentes perspectivas, era bem o que eu procurava. Aceitei o desafio e permaneci por 5 anos no projeto onde junto com minha equipe conquistamos o crescimento esperado. Quando entrei na zona de conforto inerente ao sucesso contínuo, vi que era hora de mudar novamente. 

Blog do Purcino:    Na sua visão, ser empreendedor não é necessariamente abrir um próprio negócio, pois vejo que você circulou entre a vida de colaborador e a vida de empresário. Fale um pouco a respeito. 

Alexandre:     Eu vejo que neste caso existem duas visões, a visão teórica e o que acontece e fato. Na teórica, não existe diferença entre ser empreendedor em uma empresa própria ou em uma corporação, sendo que as empresas divulgam e incentivam o empreendedorismo como fator de crescimento dela e do próprio colaborador. Concordo com esta ideia e vejo que se você é empreendedor, será tanto como colaborador quanto como empresário. Porém, o que acontece de fato é que as grandes empresas acabam por matar o empreendedor. Salvo raras exceções, as empresas focam na qualificação sistêmica e na qualificação do sistema operacional, incutem na mente dos colaboradores a importância de fazer bem feito o que fazem sempre. Mas algumas empresas não criam situações de gratificação para o colaborador que vai e faz de forma diferente, que inova e que se esforça mais do que seus pares. 

Infelizmente, os executivos mais maduros descobrem, com o tempo, que projetos inovadores em uma empresa colocam o seu emprego em risco e que criar pode gerar desconforto entre os colegas e eventual isolamento do profissional. Convenhamos que ninguém gostaria de passar por situações com essa. Os talentos empreendedores tendem a ser sufocados, só restando ao colaborador buscar novos projetos ou abrir seu próprio negócio, buscar situações onde possa desempenhar todo o seu potencial. Eu particularmente faço isso. Busco situações empreendedoras e caso veja que determinada situação não vai proporcionar isso, mudo o leme para outra direção. 

Blog do Purcino:     Você sempre atou com mídia, ou neste período tentou outros caminhos profissionais? 

Alexandre:     Nunca me desvinculei totalmente, mas sim, testei rumos diferentes. Antes de ser um profissional de marketing, eu sou um Administrador (na prática e graduado), uma pessoa de negócios. Não consigo enxergar satisfação profissional na mera execução de um trabalho, mas sim quando os resultados comerciais surgem. 

Então, não me importaria de vender pregos se descobrisse um mercado que precisasse muito comprar pregos (rs ). Com este pensamento abri em 2006 uma representação da CEBEST (Central Brasileira de Estágio), empresa que era do Grupo Multi Holding (detentora de marcas como Wizard, Skill, Yazigi, Microlins, SOS, entre outras).A história iniciou quando eu convidei para realizar uma palestra na ULBRA o Charles Martins, que era então Vice-Presidente do Grupo. Após algumas conversas o Charles me apresentou o projeto, que estava iniciando, me fez a proposta e eu topei. 

A CEBEST pouco tinha a ver com minha área, fora o fato de eu ter utilizado o que eu sabia de marketing para impulsionar o negócio e claro, minha base de contatos empresariais. Aprendi muito sobre gestão de pessoas, legislação trabalhista, lei do estágio. Aprofundei o conteúdo que tinha visto na graduação e fui mais além, iniciei ao mesmo tempo uma pós de Gestão de Pessoas e uma Graduação de Psicologia. Queria aprender e rápido sobre o novo negócio.Algumas mudanças na lei dos estágios surgiram e  transformaram o negócio, que deixou de ser atrativo. Era hora de novamente, buscar novos rumos. Foi então que abri uma nova agência de Propaganda, o Grupo Vision. Também tivemos sucesso e passamos a atender grandes clientes no Brasil.

Mas mais uma vez um novo convite mudou meus planos. Vendi minha participação na agência para aceitar um convite que havia recebido de Charles Martins: assumir função Gerencial no Grupo Multi em Campinas, São Paulo.Neste momento no Grupo Multi pude aprender também as peculiaridades do negócio franquia.

Blog do Purcino:     Agora que você falou do Grupo Multi, me fale sobre suas experiências com o Grupo. 

Alexandre:     Eu posso dizer que existe a carreira do Alexandre antes do Grupo Multi e a carreira após o Grupo Multi. O que eu aprendi no Grupo tem balizado minha carreira deste então. Eu tive o privilégio de trabalhar diretamente com o Presidente Carlos Martins, uma experiência que, de fato, eu deveria ter pago ao invés de ter recebido, pois aprendi muito ao seu lado (rss). Realmente, a visão de negócios do Sr. Carlos Martins, a forma de gerenciamento e a velocidade com que ele fazia as coisas acontecerem está muito além do que se ensina nos bancos escolares. Tenho repetido na minha carreira atual os mesmos princípios de administração do Presidente Martins. Atualmente, mantenho contato permanente com o Grupo e procuro auxiliar a organização levando sempre novas informações referentes ao mercado de marketing digital. Foi, inclusive, no Grupo Multi que tive um dos maiores cases da minha carreira, ou seja, gerenciar o Marketing Digital de todas as marcas do Grupo.

Blog do Purcino:     Agora você entrou em um assunto que gera muita curiosidade. Marketing Digital! É o seu trabalho hoje, como você chegou neste mercado? 

Alexandre:     O marketing digital parece ser algo novo. Na forma ele é, mas os conceitos são antigos, são os mesmos conceitos da comunicação e da publicidade e tem os mesmos objetivos na visão corporativa que o marketing tradicional. Considerando isso, eu fiz uma transição, uma escolha, segmentei meu já conhecido trabalho de marketing no marketing digital.

Esta escolha foi realizada em 2009, quando observei que as redes sociais estavam para explodir e a internet, finalmente, iria acontecer como ferramenta de marketing. Falo que finalmente iria acontecer, pois eu já havia “namorado” com o mercado digital em 2000 , quando criei um departamento web na minha agência de propaganda e em 2007, quando coloquei o Orkut na nossa  lista de trabalhos de comunicação. Em 2009, após alguns meses de estudos, nos quais fui conhecer as ferramentas que eu não conhecia e me atualizar nos itens que eu já dominava, voltei para o mercado com carreira solo novamente. 

Graças ao grande alcance das redes sociais e das facilidades do trabalho online cresci muito rápido, sendo que em poucos meses estava atendendo clientes de diversas partes do Brasil. Percebi a importância do Marketing Político Digital e resolvi investir meu tempo e conhecimentos nesta nova área.

Blog do Purcino:     Antes de chegarmos no assunto eleitoral, que rende muito, fale mais sobre o que faz um profissional de marketing digital?

Alexandre:     Antes de tudo, ele tem que estar disposto. Disposto a ficar antenado 24 horas por dia. Você não consegue dividir seu horário como é possível em outras funções. A internet não fecha para o almoço (rs ) você precisa ficar conectado Full time. É importante aprender a fazer muitas coisas ao mesmo tempo. Tem que ter a capacidade de concentração sem dispersão, o que não é simples, devido ás próprias características dispersivas da internet. Tem que dar atenção para sua família e amigos, ao mesmo tempo em que acompanha centenas de postagens, por exemplo, nas redes sociais. Se você estiver disposto a ter esta rotina de trabalho, já pode pensar em entrar na área de marketing digital. 

O trabalho em si consiste em gerenciar a presença digital das corporações ou de pessoas, na internet. Que site ter, que conteúdo disponibilizar, em que redes sociais esta empresa estará atuante, qual a estratégia dela nas redes. Minha empresa, a Relevance, orienta empresas neste sentido e em muitos casos torna-se o braço externo da marca nas redes sociais, gerenciando todo o conteúdo digital. 

Blog do Purcino:     O talento então é um fator essencial para quem quiser trabalhar com o marketing digital?

Alexandre:     Assim como em qualquer situação relacionada com o Marketing, o talento e a criatividade fazem a diferença. O profissional tem que trabalhar para fazer a marca acontecer. Outro pré-requisito essencial para o profissional de marketing digital é a atualização.

Tem que ter muita leitura e muita imersão no mundo online. As ferramentas online não mudam tão rápido, mas os usuários sim! O que eles achavam “legal” “bacana” “cool” 30 dias atrás já é ou pode ser passado hoje. Não dá para fazer planejamento de marketing digital em médio prazo, como se faz com o marketing tradicional. O horizonte deve ser sempre de curto prazo. O objetivo de posicionamento deve ser de longo prazo, mas as ações devem sempre ser de curto prazo, imediatas, posso assim dizer. 

E até para tirar uma dúvida que sempre surge, o trabalho diário do marketing digital envolve diversas áreas, desde a psicologia, passando pelas áreas humanas, até chegar nas áreas mais visíveis do marketing e da tecnologia. Então, quanto mais versátil for o profissional, melhor será o desempenho dele com o trabalho digital.

Blog do Purcino:     Surpreende muito as notícias dos novos milionários que a internet faz. É fácil mesmo ficar rico com a Internet? 

Alexandre:     Não, isso é folclore. Todos os dias surgem “novos ricos” dos mais variados setores, desde na área agrícola, passando pela saúde e outras indústrias. Muito mais “novos ricos” do que faz a internet. O que ocorre é que é novidade termos pessoas ficando ricas com a internet e isso atrai  a atenção da mídia e cria uma falsa impressão de que o caminho do ouro fácil é a internet. 

A internet exige tanto esforço e criatividade para tronar-se rentável quanto qualquer outro investimento. Se o esforço que se dedica à internet fosse feito em outros negócios, os resultados seguramente seriam os mesmos. 

Blog do Purcino:     Qual é a diferença então?

Alexandre:     O que acontece de diferente é que ainda faltam muito recursos pensantes criando ideias na internet. Se o talento e a estratégia do empreendedor for muito digital ele poderá sim ter uma vantagem competitiva. Mas se pensarmos bem, alguém com uma incrível ideia na área industrial também não terá um diferencial? Então a chave do sucesso não está na forma de negócio, mas no diferencial do negócio! É bom destacar que a Internet é mais democrática em relação ao investimento inicial. Com certeza é muito mais barato abrir um portal do que construir e equipar uma fábrica. 

Blog do Purcino:    Como as empresas encaram o Marketing Digital? 

Alexandre:     Assustadas ( rs ) Brincadeira a parte, é um fato. O primeiro impacto que a internet gera nas empresas, principalmente nas que tem mais tempo de atividade é de desconforto. A internet e principalmente as redes sociais cresceram mais rápido do que as empresas puderam acompanhar. Elas foram pegas de surpresa e isso assusta. As marcas que antes tinham um cenário controlado, onde a mídia televisiva era sua forte aliada, descobrem com surpresa que as pessoas estão passando 3 vezes mais tempo na frente do computador do que na frente da tv. Mas o dinheiro da mídia ainda está sendo gasto na TV! As empresas também se deparam com mais críticas públicas, com a exposição de erros internos para um grande público e isso também assusta. 

As redes sociais hoje influenciam o negócio como um todo, podendo inclusive, fazer as ações de uma empresa perder valor.  Por estes motivos, o assunto internet acaba sendo “abafado” em muitas organizações. Geralmente o alto escalão quer resolver, criar políticas, atuar nas redes de forma mais comercial. 

Blog do Purcino:    Muitas empresas superaram o medo do mundo digital e hoje tem sucesso ao investir nesta mídia. Fale um pouco a respeito. 

Alexandre:     As empresas que conseguem superar o estágio da insegurança se surpreendem com o potencial do meio digital. Aprendem que podem economizar muito em mídia convencional, que podem economizar em pesquisas ouvindo o cliente diretamente nas redes sociais e começam a lucrar com as ações. 

Hoje, na maioria das empresas, os colaboradores que cuidam do marketing digital, como a presença da marca nas redes sociais, estão em um cantinho separado, , recebem pouco e não tem quase nenhum treinamento específico. Estas empresas acham que estão fazendo um trabalho nas redes sociais, mas não estão e os resultados serão proporcionais ao investimento. Se você investe mil reais para alguém gerenciar sua marca nas redes, não poderá esperar receber mais do que dois mil de lucro por este investimento, correto? Mas se você investisse dez mil a história já seria outra e a própria proporção matemática aumentaria. 

Blog do Purcino:    Você tem realizado muitos treinamentos e com frequência está concedendo entrevistas sobre Redes Sociais e Internet. Isso faz parte do seu trabalho ou foi uma escolha? 

Alexandre:      As duas coisas. Os treinamentos são um negócio. Percebi a carência do mercado e criei este departamento na Relevance. É lucrativo e para mim, que gosto muito de ensinar, gratificante. Sobre as entrevistas, foi um processo natural, de acordo com as experiências digitais que fui vivenciando, recebia convites para falar para rádios, jornais, blogs, TVs.

Blog do Purcino:  Você acha que a era digital vai encerrar a era do livro? 

Alexandre:     Vai! Mas vai demorar! É um processo natural, assim como o livro substitui o pergaminho, a leitura digital tende a retirar o impresso do mercado. Porém, esta mudança depende da questão econômica e da acessibilidade. Enquanto tivermos pessoas que não tem o que comer, existirá o livro ou o jornal impresso. Mas as futuras gerações vão encarar os livros impressos, assim como a nova geração olha a máquina de escrever, o vinil e a fita k-7,  como artigos de museu.

Blog do Purcino:  E o Marketing Digital Político / Eleitoral qual a importância dele na sua vida profissional? 

Alexandre:     Eu diria que foi outra oportunidade de negócios. Percebi que haveriam mudanças na legislação, que iriam acabar por permitir o uso das redes sociais nas eleições de 2010. Imaginei que isso iria gerar muita confusão e que poucos profissionais estariam dispostos a entrar no atendimento a classe política, que é uma classe que não é constituída por conhecedores de marketing, o que dificulta o atendimento. Visto isso, me aprofundei nos assuntos políticos e desenvolvi formatos que imaginei poderiam funcionar bem em uma campanha política. 

Fui chamado para realizar consultorias para partidos políticos e auxiliar prefeituras na sua gestão digital. Este ano irei coordenar algumas campanhas e espero inovar novamente.  

Blog do Purcino:  Só computador ou sobra tempo para outras atividades? E a energia para enfrentar este meio online? 

Alexandre:     Mens Sana in Corpore Sano: eu acredito nisso! Tirar uma hora diária para corrida é minha regra. Nesta hora eu recupero as energias, descanso a mente e me preparo para continuar. Estar com a  minha família, minha esposa e minhas duas meninas também é outro momento muito precioso. Adoro acompanhar a evolução das minhas pequenas, as pequenas descobertas que elas fazem. É maravilhoso! Também tenho o hábito de conviver muito com os meus dois irmãos, aprendo muito com eles!  Desconectar só no Domingo, quando entro poucos minutos na internet. É o dia da minha família e da Igreja.

 Blog do Purcino:  Fale sobre um decisão que tenha marcado a sua vida? 

Alexandre:     A decisão que mais influenciou a minha vida foi tornar-me membro de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, o que fiz em 2005. 

Blog do Purcino:  Uma mensagem para quem busca uma carreira rica em experiências como a sua. 

Alexandre:     Ousem, sejam muito ousados sempre! Acreditem em vocês. Sempre haverá alguém dizendo que não é uma boa ideia. Não dê ouvidos. Pense no objetivo final e tenha em mente que sacrifícios são necessários. E lembrem que o sucesso não tem uma única forma de acontecer! Ser feliz e conquistar o que você quer serão o seu sucesso pessoal e é nele que você deve pautar sua busca! 

Blog do Purcino:  Para finalizar, o que o Alexandre busca para o futuro? Marketing Digital sempre?  

Alexandre:     Meu caro Purcino, os leitores vão se surpreender, mas eu tenho um sonho antigo. Eu quero ser Diplomata e se tudo correr bem, um dia ser Embaixador. Tenho este sonho, guardado na gaveta. Venho estudando para o concorrido concurso, de acordo com o pequeno tempo que me sobra no dia-a-dia. Ainda tenho também que qualificar meu inglês e o francês, pré-requisitos essenciais para entrar na carreira diplomática. 

Assim que me sentir preparado irei fazer o concurso parta o Itamaraty e pretenderei, sendo aprovado, continuar sendo um negociador e um profissional de marketing em outra esfera buscando no mercado global benefícios para o nosso Brasil. Alguns me dizem que o salário não compensa. Realmente, a remuneração é muito mais baixa que a da inciativa privada, mas quando se trata de sonhos, o que podemos fazer, senão seguir o nosso coração? 

Blog do Purcino:  Uma frase para finalizar. 

Alexandre:     “Tudo vale a pena se a alma não é pequena”

Caso você queira conhecer mais sobre o Alexandre de Mattos, entre em contato com nossa redação ou ligue diretamente para (55) (54) 3622.6654.

Entrevista feita por José Antonio Purcino

Copyright José Antonio Purcino

8 Respostas to “Alexandre de Mattos e o marketing digital.”

  1. Cacá Nedel Says:

    Parabéns Purcino pela bela entrevista.
    A trajetória de Alexandre de Mattos nos mostra que devemos sonhar e nos prepararmos para quando as oportunidades aparecerm tirarmos o melhor proveito delas.
    Forte Abraço,
    Cacá Nedel

  2. Marcelle Nogueira Toscani de Raya Nedel Says:

    Uma história bonita e inspiradora, repleta de inovação, sucesso e visão. Parabéns ao José Antonio Purcino pela entrevista e ao Alexandre de Mattos por compartilhar conosco sua trajetória tão vitoriosa.

  3. Jeferson Marcolino Says:

    Parabéns Alexandre Mattos por sua bela história de vida, superação e sucesso! É inspirador.


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: